Archive for: dezembro, 2018

Conheça Oettinger Pils da Alemanha e Preços

Da Alemanha, vem as cervejas mais puras do mundo. A Lei de Pureza Alemã (Reinheitsgebot), promulgada em 1516, diz que a cerveja tem que ser composta por apenas 4 ingredientes básicos: água, malte, lúpulo e levedura.

E essa pura pilsen alemã, Oettinger Pils, leva a ferro e fogo essa tradição. É uma cerveja com personalidade, de puro malte e amargor pronunciado.

Tem a refrescância da pilsen, mas sem perder o paladar das pils alemãs, tornando uma cerveja exclusiva e ótima para tomar nesse calor.

Que tal harmonizar ela, com o nossa Lula Dorê ou Canapé de Tomate Seco?

Com 500 ml e 4,7% de teor alcóolico, a media, ela sai por R$ 20,00

Trappistes Rochefort 6

A Rochefort 6 é uma cerveja belga trapista do estilo Belgian Dubbel, produzida pela Abadia de Notre-
Dame de St. Remy.

Mas, o que significa dizer que ela é uma Belgian dobble? A Rochefort 6 é uma cerveja do tipo Ale na
qual o mestre cervejeiro adiciona o dobro da quantidade de malte do que adicionaria a uma cerveja
dita comum. Normalmente são bebidas balanceadas e de teor alcoólico mediano.

Com aroma cítrico de uvas e um leve toque de mel, tem um sabor longo e levemente seco, coloração
vermelho-escura, colarinho denso e persistente, a Trappistes Rochefort 6 é cerveja mais leve feita pela Abadia de Notre-Dame de St. Remy.

Que tal pedir uma Trappistes Rochefort 6 para acompanhar uma das nossas porções frias, azeitonas
pretas temperadas?

Duff Beer, a breja dos Simpsons!

A Duff Beer é a marca de cerveja favorita de Homer Simpson, o paizão da família em “Os Simpsons”. Em 2003, Barth Simpson e seus colegas da Escola Elementar de Springfield fizeram uma ameaça terrorista: todas as crianças também deveriam experimentar a cerveja Duff!!!´

É claro que no mundo real isso não vai acontecer, afinal bebidas alcoólicas são vendidas apenas para maiores de 18 anos! Mas, a cerveja sim, saiu do mundo fictício para o mundo cervejeiro real! As crianças não poderão experimentar, mas os adultos sim!

Duff Beer é uma Premium American Larger. Ou seja, é uma cerveja leve e refrescante, feita para matar a sede e para ser bebida bem gelada. Faz parte do tipo de brejas mais populares dos Estados Unidos, como a Budweiser, a Coors e a australiana Foster’s. No Brasil, as chamadas Pilsen, aquelas mais populares como Brahma, Skol, Kaiser e Antarctica são American Lagers.

Quer experimentar!? Corre para uma cervejeira da sua preferência! O Homer dançou, pois a Duff não é mais exclusividade dele! Já é a preferida de muitos brasileiros!

Cerveja Caseira Primeiros Passos

Como fazer cerveja caseira, por onde começo?

Diversas razões podem nos levar a fazer cerveja em casa. A produção caseira pode ser mais barata do que as cervejas comerciais equivalentes; na produção artesanal, o cervejeiro pode produzir uma bebida mais natural e saudável, pois é facultada a ele a seleção dos ingredientes utilizados, assim como a responsabilidade pela sua procidência; permite também a criação de cervejas que se ajustem ao sabor pretendido, ampliando o potencial gastronômico da bebida.

Acima de tudo, ser um cervejeiro artesanal pode implicar em fazer parte de um ambiente social autêntico e integrado. Muitos cervejeiros se relacionam através de comunidades dinâmicas que refletem a paixão do produtor pela sua obra: a cerveja é o motor de discussões acaloradas e de trocas de experiências nas quais todos saem ganhando. Ser um cervejeiro não é só produzir cerveja, mas produzir com paixão e criatividade, cultivar relações e aprender com elas, criar entretenimento e fabricar cultura.

Para produzirmos uma cerveja artesanal não é necessário ter uma fábrica. Uma cerveja de ótima qualidade pode ser produzida dentro de sua própria cozinha. Para isso, bastam alguns equipamentos e disposição. Apesar de trabalhoso, é um processo simples e, para nós cervejeiros, bastante gratificante! A seguir está descrito de maneira simplificada o processo de produção de cerveja.

MOAGEM

Esta é a primeira etapa. Nela, a cevada maltada é moída, aumentando a eficiência da brassagem. Isso porque, depois de moídos, os grãos do malte têm seu interior exposto para ação de enzimas.

BRASSAGEM

DA brassagem, também chamada de mostura, é quando colocamos o malte moído dentro de uma panela com água e a aquecemos até atingirmos certas temperaturas. Ela visa converter o amido do malte em açúcares menores e quebrar suas proteínas e polipeptídios em pequenas frações, interferindo no corpo, no teor alcoólico e na qualidade da espuma da cerveja. Como cada enzima atua em uma faixa diferente de temperatura, as temperaturas trabalhadas nesta fase definirão muitas características da cerveja. Aqui, devemos mexer constantemente a mistura, distribuindo a temperatura de forma homogênea na panela.

LAVAGEM

Seu objetivo é separar o bagaço do mosto [líquido resultante da brassagem] Nesta etapa, colocamos um fundo falso em outra panela e passamos todo o conteúdo da panela de brassagem para ela. [inclusive o bagaço do malte]
Como o fundo falso permite a passagem apenas do mosto, circulamos este na panela e adicionamos mais água mineral para que ela “lave” o bagaço e absorva os açucares contidos nele. Ao final desta etapa temos o mosto livre de partículas sólidas.

FERVURA

Fervemos então o mosto para eliminar possíveis contaminantes e compostos voláteis indesejados. É também nesta fase que adicionamos o lúpulo à cerveja, extraindo deste o amargor ou o aroma desejado.

FERMENTAÇÃO

Após a fervura, resfriamos o mosto à temperatura ambiente, em seguida transferimos o mesmo para um novo recipiente ao qual adicionamos fermento. Este recipiente é guardado em um refrigerador à temperatura controlada, para que o fermento se mantenha em atividade. O objetivo desta etapa é a fermentação dos açucares pelas leveduras, gerando CO2 e Álcool. O fermento também interfere no aroma da cerveja. Utiliza-se nesta etapa do processo o que chamamos de “Airlock”, que é uma válvula que permite apenas a saída de gases do recipiente fermentador. Desta maneira, elimina gases e aromas indesejados enquanto restringe a entrada de contaminantes.

MATURAÇÃO

Ao final do processo de fermentação, transferimos apenas o líquido [cerveja] para outro recipiente, desprezando o acúmulo de fermento inativo que se concentra no fundo do recipiente. Com isso evitamos a autólise do fermento, que gera sabores indesejados na cerveja.

ENGARRAFAMENTO

Com o final da Maturação, transferimos a cerveja do maturador para outro recipiente, novamente evitando o acúmulo de fermento que se deposita no fundo. Então, adicionamos uma calda de açúcar à cerveja e misturamos. Este açúcar serve como nova fonte de alimento para as leveduras que, ao consumi-lo, serão responsáveis pela carbonatação da cerveja.
O próximo passo é engarrafar a cerveja e armazena-la em um local sem luz e em temperatura compatível ao fermento. Decorridos alguns dias, a cerveja fermentará na garrafa produzindo gás carbônico naturalmente e, enfim, estará pronta para o consumo.

CONSUMO
Agora é só beber!