All posts by Roberto Mendes

Como fazer o envasamento da cerveja artesanal

Finda a fermentação, é necessário engarrafar a cerveja antes de consumi-la. Para além de colocar a cerveja em garrafas, é necessário gaseificá-la para que fique com o gás que tanto apreciamos. Para conseguir o gás adiciona-se algum açúcar imediatamente antes do engarrafamento. Este açúcar irá sofrer uma segunda fermentação na garrafa que irá criar o gás da cerveja.
Usar de preferência garrafas de vidro de cor castanha ou verde. As garrafas, bem como as cápsulas, deverão ser previamente lavadas, desinfectadas e passadas por água.

envasamento

Equipamento necessário:

—Balde ou balde de engarrafamento.
—Sifão + Válvula de engarrafar
—Capsulador
—Capsulas (caricas) e garrafas

Instruções

1 — Selecionar o grau de carbontação desejada (ver abaixo) . Dissolver o açúcar necessário em 200 mL (aprox. 1 copo) de água quente. Deixar arrefecer.

Grau de carbonatação BaixoMédioElevado
Teor de açúcar 5 g/L 6 g/L7 g/L

Caso não possua uma balança pode fazer uso de pacotes de açúcar. Por exemplo, para 23 litros de cerveja com cabonatação média, 6 g/L, necessitamos de 138 g de açúcar. Usando pacotes de 8g seriam necessários 138 / 8 = 17,25 pacotes, arredondando 17 pacotes de açúcar.

2 — Introduzir num segundo fermentador ou balde de engarrafamento, a solução de açúcar para a gaseificação da cerveja.

3 — Transferir com o auxilio de um sifão a cerveja para o segundo fermentador ou balde de engarrafamento. Esperar 10-15 minutos para que o açúcar se difunda completamente na cerveja.

4 — Transferir a cerveja açucarada para as garrafas com o auxílio de um sifão acoplado a uma válvula engarrafamento, ou usando a válvula incorporada no balde de engarrafamento.

5 — Encapsular as garrafas. O uso de capsuladores manuais é muito fácil: colocar a capsula na garrafa, apoiar o capsulador na garrafa, baixar ambas as alavancas e … já está!

— Guardar as garrafas ao abrigo da luz e calor excessivo.

— Aguardar pelo menos uma semana para a carbonatação (gaseificação) da cerveja. A carbonatação fica completa normalmente após duas, três semanas.

… e chegou a grande hora de disfrutar com os seu amigos de uma cerveja especial produzida por si. SAÚDE!

Preparar um fermentador

arranque ou pé-de-cuba

O objectivo é preparar antecipadamente meio litro de mosto e inocular as leveduras. Deste modo as leveduras vão multiplicar-se no pré-fermentador e quando as adicionarmos ao mosto serão em maior número e estarão mais activas e vigorosas. Assim, consegue-se um arraque da fermentação muito mais rápido e uma fermentação mais eficiente.

A preparação do pré-fermentador deve ser feita 1-3 horas antes de fazer a cerveja.

Preparar um fermentador

— Adicionar 50 a 100g de extracto de malte em pó a 500 mL de água.

— Ferver a mistura. Deixar arrefecer até 30 ºC. Adicionar as leveduras e agitar fortemente.

— Passado 1 a 2 horas começa a ver-se sinais de actividade das leveduras.

— O pé-de-cuba deve ser adicionado ao fermentador contendo o mosto arrefecido e arejado. A fermentação prossegue normalmente.

Cerveja Artesanal – O que precisa para começar

Esta página desita-se a cervejeiros que já tenham elaboarado várias cervejas de kit e a partir de extracto de malte. O cervejerio deverá possuir experiência na fermentação de cerveja, bem como na fervura do mosto e sua lupulação. O objectivo é ir mais longe e extrair os açúcares do malte. Para tal é necessário um conjunto de operções vulgarmente denominados de brassagem.

Cerveja Artesanal

Equipamento necessário:

— Moinho de malte
— Panela 20-30L (pode ser em aço inox ou alumínio)
— Cuba filtrante
— Colher de plástico
— Termómetro
— Densímetro
— Papel pH
— Balança de cozinha
— Fermentador

Ingredientes:

Variam consoante a receita
Ingredientes base: malte de base (malte pilsen, pale ale, munique ou trigo)
Outros ingredientes: Malte de especialidade, cereais não maltados, extracto de malte, açúcar, frutos, etc.

Instruções:

A melhor forma é concretizar com um exemplo. Tomemos a receita de uma cerveja chamada “Ale Garve”

NomeAle Garve
TipoPale Ale
DificuldadeMestres
Volume23L
Malte
Malte pilsen4.5 kg
Malte Cara-pils 200g
Densidade Original (estimada) 1.052
Lúpulo
Northen Brewer 5.7% AA 35g (fervura 60min)
Halertau Perle 3.9% AA 30g (fervura 20 min)
Amargor Total 27 IBU
Levedura
Brewferm Ale
6g (1 pacote)
Notas / Comentários
Brassagem: Infusão a 67 ºC durante 60 min. Aquecer a 72-75 ºC e filtrar.
Fermentação: 1 semana ferm. primário + 2 semanas ferm. guarda

1ª Etapa: Mogem do malte

O objectivo é partir o grão de modo a expor o seu interior que consiste em amido e enzimas. Deve evitar-se reduzir o grão a farinha! Se a moagem for demasiado fina, com muita farinha, a operação de filtração (ver mais abaixo) será demasiado difícil ou quase impossível.

2ª Etapa: Brassagem / Sacarificação

Esta etapa consiste em fazer uma infusão de malte em água e manter esta infusão à temperatura (60-70ºC) e pH (5.2-5.5) adequados para que as enzimas existentes no malte convertam o amido em açúcares. Iremos apresentar uma técnica de brassagem denominada de infusão simples. Esta técnica é extremamente fácil de executar e permite obter bons resultados, sendo por isso recomendável para cervejeiros caseiros.

— Mistura. Adicionar ao malte moído água quente do modo a atingir a temperatura desejada. Normalmente adiciona-se 3 L de água por kg de malte. A água deverá estar cerca de 5º C acima da temperatura desejada para a mistura (este valor depende um pouco do equipamento usado e condições ambientes). Pegando no nosso exemplo adicionam-se 4.7×3 = 14.1 L de água a 72 ºC, a temperatura da mistura deverá ser de 67ºC. Após a mistura verifica-se a temperatura e corrige-se com a adição de água quente ou fria conforme necessário.

— Ajuste de pH. A gama óptima de pH para as enzimas que convertem o amido em açúcares situa-se entre 5.2 e 5.5. Muitas vezes o pH da mistura malte+água encontra-se acima deste valor. Nestes casos é necessário baixar o pH para a gama optima. A forma mais simples e acessível é utilizar sumo de limão como acidificante. Normalmente o sumo de 1/4 ou 1/2 limão é suficiente. Adicionar o sumo de limão, mexer bem e voltar a medir o pH, adicionar mais algum sumo se necessário. Nota: A cerveja não fica com sabor ou aroma a limão!

— Passados 60 minutos a conversão do amido em açúcares deverá estar completa (pode verificar com o teste do iodo). Antes de proceder à etapa de filtração é conveniente aqueçer a mistura a 72 – 74 ºC. Este aquecimento tem dois objectivos: Terminar a actividade enzimática e diminuir a viscosidade do mosto facilitando a operação de filtração.

— Teste do iodo (opcional). Este teste permite verificar a presença de amido. O iodo reage com o amido formando um complexo de coloração azul forte. O teste é efectuado da seguinte forma: retira-se uma pequena quantidade de líquido (apenas líquido, sem cascas ou outros sólidos) para um pires. Adiciona-se 1 gota de tintura de iodo. No início da brassagem existe muito amido e a gota de iodo passa a azul escuro. No final da brassagem todo o amido deverá ter sido convertido em açúcares pelo que o teste do amido dá negativo, ou seja não há variação de cor. Não introduzir iodo na brassagem! Deitar fora!


Tintura de iodo e um pouco de liquido No início da brassagem o iodo adquire uma coloração azul No final da brassagem a cor do iodo não muda

3ª Etapa: Filtração

Neste momento temos uma solução açucarada misturada com restos de amido não convertido e cascas. Pretende-se separarar a solução açucarada (mosto) do restante material. Esta separação é efectuada numa cuba com fundo falso denominada de cuba filtrante.

— Transferir a brassagem para a cuba filtrante. Abrir a torneira e começar a recolher o mosto.

— Inicialmente o mosto apresenta-se muito turvo. Os primeiros litros de mosto (3-6L) são recirculados à cuba filtrante até que se obtenha um mosto razoavelmente límpido. Nota: não se obtém um mosto totalmente límpido e cristalino, mas uma solução com uma turvação ligeira. Esta turvação irá desaparecer durante a fervura e arrefeciemnto do mosto.

— Iniciar a recolha do mosto para a panela. Irá verificar uma separação de fases no interior da cuba filtrante : em baixo o bagaço, que constitui o leito de filtração e sobre este alguns centimetros de líquido. Recolha o mosto até que a camada de líquido desapareça.

— Adicionar 2-5L de água a 75ºC. Continue a recolher o mosto. Quando a camada de líquido desaparecer adicione mais água a 75ºC. Repita este procedimento até recolher o volume de mosto desejado. Este passo destina-se a extrair completamente os açúcares do malte.

— Recolher 2L de mosto a mais do que o volume da receita, no nosso exemplo 25L. Este volume extra destina-se a compensar as perdas por evaporação durante a fervura. Mexer o mosto e verificar a densidade (não esquecer de fazer a correcção com a temperatura). Deve estar muito próxima do valor previsto. Caso a densidade esteja abaixo do valor previsto em mais de .005 (no nosso exemplo <1.052-0.005 <1.047) adicionar algum extracto de malte ou açúcar de modo a atingir o valor previsto.

4ª Etapa: Fervura do mosto

— Aquecer a panela até levantar fervura. Deixar ferver em lume brando durante 15 minutos.

— Adicionar o lúpulo de amargor e iniciar a contagem do tempo.

— Adicioanr o lúpulo de aroma. No nosso exemplo passados 40 min do inicio da contagem do tempo.

— Passados 60 min da primeira adição de lúpulo desligar a panela.

5ª Etapa: Arrefeciemtno e fermentação

— Arrefecer o mosto. Aconselha-se o uso de uma serpentina de cobre. Por dentro da serpentina faz-se circular água fria para acelerar o arrefeciemento do mosto.

— Transfira o mosto para um fermentador desinfectado. Mexa bem para arejar o mosto.

— Adicione a levedura. Preferencialmente faça um fermentador de arranque e inocule a levedura activa.

Boa Cerveja!

Mestre Cervejeiro conceito

Este artigo desita-se à elaboração de cerveja a partir de malte em grão. O cervejerio deverá possuir experiência na fermentação de cerveja, bem como na fervura do mosto e sua lupulação antes de passar a esta etapa. Dada a complexidade da bioquímica da brassagem, é impossível expor nesta página toda a arte e ciência da elaboração de cerveja. Recomedamos que consulte literatura especialzada ou que frequente um dos nossos cursos. apresentamos en seguida um resumo do processo arteanal de produção de cerveja:

Mestre Cervejeiro

Equipamento necessário:

— Moinho de malte
— Panela 20-30L (pode ser em aço inox ou alumínio)
— Cuba filtrante
— Colher de plástico
— Termómetro
— Densímetro
— Papel pH
— Balança de cozinha
— Fermentador

Ingredientes:

Variam consoante a receita
Ingredientes base: malte de base (malte pilsen, pale ale, munique ou trigo)
Outros ingredientes: Malte de especialidade, cereais não maltados, extracto de malte, açúcar, frutos, etc.

Instruções:

1ª Etapa: Mogem do malte

O objectivo é partir o grão de modo a expor o seu interior que consiste em amido e enzimas. Deve evitar-se reduzir o grão a farinha! Se a moagem for demasiado fina, com muita farinha, a operação de filtração (ver mais abaixo) será demasiado difícil ou quase impossível.

2ª Etapa: Brassagem / Sacarificação

Esta etapa consiste em fazer uma infusão de malte em água e manter esta infusão à temperatura (60-70ºC) e pH (5.2-5.5) adequados para que as enzimas existentes no malte convertam o amido em açúcares. Iremos apresentar uma técnica de brassagem denominada de infusão simples. Esta técnica é extremamente fácil de executar e permite obter bons resultados, sendo por isso recomendável para cervejeiros caseiros.

— Mistura. Adicionar ao malte moído água quente do modo a atingir a temperatura desejada. Normalmente adiciona-se 3 L de água por kg de malte. A temperatura da mistura deverá ser situar-se entre 65 a 67ºC. Após a mistura verifica-se a temperatura e corrige-se com a adição de água quente ou fria conforme necessário.

— Ajuste de pH. A gama óptima de pH para as enzimas que convertem o amido em açúcares situa-se entre 5.2 e 5.5. A forma mais simples e acessível de baixar o pH da braasagem é utilizar sumo de limão como acidificante. Normalmente o sumo de 1/4 ou 1/2 limão é suficiente. Adicionar o sumo de limão, mexer bem e voltar a medir o pH, adicionar mais algum sumo se necessário.

— Passados 60 minutos a conversão do amido em açúcares deverá estar completa. Antes de proceder à etapa de filtração é conveniente aqueçer a mistura a 72 – 74 ºC durante 20 minutos. Este aquecimento tem dois objectivos: Terminar a actividade enzimática e diminuir a viscosidade do mosto facilitando a operação de filtração.

3ª Etapa: Filtração

Neste momento temos uma solução açucarada misturada com restos de amido não convertido e cascas. Pretende-se separarar a solução açucarada (mosto) do restante material. Esta separação é efectuada numa cuba com fundo falso denominada de cuba filtrante.

— Transferir a brassagem para a cuba filtrante. Abrir a torneira e começar a recolher o mosto.

—Os primeiros litros de mosto (4-8L) são recirculados à cuba filtrante até que se obtenha um mosto razoavelmente límpido.

— Iniciar a recolha do mosto para a panela. Ir adicionando água a 75ºC à cuba filtrante para compensar o volume de mosto que se está a recolher na panela.

— Recolher o volume de mosto previsto pela receita.

Recolha o mosto até que a camada de líquido desapareça.

4ª Etapa: Fervura do mosto

— Aquecer a panela até levantar fervura. Deixar ferver em lume brando durante 15 minutos.

— Adicionar o lúpulo de amargor e iniciar a contagem do tempo.

— A 15-20 min do final da fervura adicioanr o lúpulo de aroma.

— Passado o tempo de fervura desligar a panela.

5ª Etapa: Arrefeciemtno e fermentação

— Arrefecer o mosto. Aconselha-se o uso de uma serpentina de cobre. Por dentro da serpentina faz-se circular água fria para acelerar o arrefeciemento do mosto.

— Transfira o mosto para um fermentador desinfectado. Mexa bem para arejar o mosto.

— Adicione a levedura. Preferencialmente faça um fermentador de arranque e inocule a levedura activa.

Boa Cerveja!

Para quem queira aprender e aprofundar a técnica de brassagem sugerimos o curso de elaboração nivel II

Como utilizar densímetro

O que é densímetro

Densímetro é um aparato que tem por objetivo medir a massa específica de líquidos. O densímetro foi inventado por Hipátia, grande matemática e filósofa neoplatônica.

Como usar densímetro 

O uso de densímetro é essencial para um cervejeiro. Este instrumento permite medir a densidade relativa de uma solução, ou seja, a diferença entre a densidade da solução e da água pura. A densidade da água é 1.000, ao dissolvermos açúcares a densidade da solução aumenta, consoante a quantidade de açúcares presente. Assim, a densidade é uma forma de medir a quantidade de açúcares (e de outras substâncias) presentes em solução.

Leitura

densímetro

O uso do densímetro é muito simples basta mergulhá-lo na solução que se pretende medir a densidade e este flutuará indicando a respectiva densidade numa escala graduada.

nivel densímetro

A água ao contactar com uma superfície sólida forma uma ligeira curvatura chamada menisco.

A leitura da densidade deve ser feita pela parte inferior do menisco.

Correção com a temperatura

A densidade de uma solução varia com a temperatura. Os densímetros estão calibrados a uma temperatura de referência de 20ºC. Qualquer medição efectuada a uma temperatura diferente de 20ºC deve ser corrigida. Abaixo apresenta-se uma tabela com as correcções de densidade em função da temperatura:

Temperatura (ºC) Correcção
200.000
250.001
300.003
350.004
400.006
450.008
500.010
550.013
600.015
650.018
700.020
750.023
800.026

O valor da correcção deve ser adicionado à densidade medida.

Exemplo: mediu-se uma densidade de 1.046 à temperatura de 45ºC. A correcção da densidade para 45ºC é de 0.008. O valor real da densidade é de 1.046 + 0.008 = 1.054.

Cálculo do teor alcoólico

Os densímetro para fabrico de cerveja, vinho, etc. possuem tres escalas: densidade, alcool provável e açúcar. Uma das utilizações do densímetro é o a estimativa do teor alcoólico das suas cervejas. Esta estimativa do teor alcoolico é muito fácil de fazer, vejamos um exemplo:

Por exemplo uma cerveja cuja densidade original (antes da fermentação) seja de 1.060. Na escala de teor alcóolico, à densidade de 1.060 corresponde o valor de álcool provável 8%. Supunhamos que no final da fermentação adensidade medida é de 1.012, a que corresponde aprox 1.5% na escala de álcool. Temos:

Densidade inicial …. 1.060 = 8.0% alc
Densidade final …… 1.012 = 1.5% alc
Diferença ……………………….6.5% alc

Esta cerveja teria aproximadamente 6.5% de álcool.

Como fazer a cerveja, por onde começar

Aos que se pretendem iniciar nesta arte aconselhamos a elaboração a partir de kits. Estes kits são constituídos por extracto de malte lúpulado concentrado, ou seja, mosto de cerveja concentrado. Tudo o que necessita de fazer é dissolver este concentrado em água, juntar as leveduras (incluídas no kit) e deixar fermentar duas semanas. Veja as instruções detalhadas em Cervejeiros Iniciados.

Como fazer a cerveja principio

O processo de elaboração a partir de extrato de malte e lúpulo vai um pouco mais longe. Este processo envolve a preparação do mosto de cerveja por fervura do extracto de malte juntamente com o lúpulo. Destina-se àqueles que já dominando as técnicas básicas querem fazer cervejas personalizadas e de sabor mais rico. Veja as instruções em Cervejeiros Avançados.

Por fim, para quem quer dominar completamente o processo e produzir a sua cerveja directamente a partir do malte temos a secção de Mestres Cervejeiros. Esta técnica é um pouco mais complexa pois é necessário promover a conversão do amido do malte em açúcares fermentáveis, extrair esses açúcares e ferver a mistura com o lúpulo. Conseguem-se cervejas de altíssima qualidade e totalmente personalizadas. Uma vez dominadas estas técnicas de elaboração é possível elaborar qualquer tipo de cerveja (por exemplo imitar a nossa cerveja favorita) ou criar cervejas únicas.

Cervejeiros Avançados

Após a elaboração de algumas cervejas a partir de kits surge a vontade de conhecer melhor o processo de fabrico de cerveja. O método que lhe propomos para o fabrico de cerveja consiste na utilização de extracto de malte em pasta, malte de especialidade e lúpulo para a preparação do mosto. A principal diferença em relação à elaboração de cerveja com base em kits consiste na preparação do mosto, nomeadamente a fervura do mosto de cerveja com lúpulo para extracção do amargor. Esta forma de fazer cerveja permite-lhe obter cervejas únicas, feitas a seu gosto e com maior frescura de aroma.

Cervejeiros Avançados

Equipamento necessário:

— Panela 20-30L (pode ser em aço inox ou alumínio)
— Colher de plástico
— Termómetro
— Densímetro
— Balança de cozinha

Ingredientes:

Variam consoante a receita
Ingredientes base: Extracto de malte e lúpulo
Outros ingredientes: Malte de especialidade (caramel,chocolate, etc.), açúcar, frutos, etc.

Instruções:

1ª Etapa: Infusão

Caso a receita que está a usar inclua malte de especialidade começe pela infusão do malte em água. Se está a usar uma receita apenas com extracto passe à segunda etapa.

— Coloque o malte de especialidade moído num saco de musselina.

— Aqueça 2-5 L de água a 70 ºC.

— Faça a infusão do malte durante 20 minutos. Durante este tempo observa-se a libertação de substâncias do malte que vão conferir côr e aroma à infusão. Mexa de vez em quando para facilitar a extracção.

— Retire o malte da infusão e escorra.

a partir deste ponto a infusão de malte está feita o processo de elaboração prossegue com a dissolução do extracto de malte (a adicionar à infusão), fervura do mosto, etc.

2ª Etapa dissolução do extracto de malte

— Deite o conteúdo das latas de extracto de malte numa panela. Dissolva completamente o extracto de malte com o auxilio de água quente. Caso tenha feito uma infusão de malte de especialidade dissolva o extracto nessa água.

—Adicione água até perfazer o volume total da cerveja.

— Verifique a densidade do mosto. Os densímetros estão calibrados para 20ºC. Quando a medição é efectuada a uma temperatura diferente de 20 ºC a densidade necessita de ser corrigida com a temperatura. Ver utilização do densímetro.

3ª Etapa Fervura do mosto

Este é um passo muito importante na produção do mosto. Consiste em ferver o mosto durante 60 – 90 minutos com adição de lúpulo. Os objectivos da fervura são vários: Extrair o amargor do lúpulo, precipitar proteinas e a desinfecção do mosto

Usam-se dois tipos de lúpulo no fabrico de cerveja:

  • Lúpulo de amargor: Normalmente variedades com elevado teor em ácidos alfa. É adicionado no início da fervura e ferve durante 60-90 minutos.
  • Lúpulo de aroma: Normalmente variedades com baixo teor em ácidos alfa e ricas em óleos essenciais aromáticos. Adicionado 10-20 minutos antes do final da fervura para preservar o aroma.

— Aqueça a panela até levantar fervura. Cuidado para não deitar por fora!

— Adicione o lúpulo de amargor . Começe a contar o tempo de fervura.


O lúpulo pode ser adicionado à fervura directamente ou dentro de um saco de musselina.

— Próximo do final da fervura (normalmente os tempos são indicados na receita) adicione o lúpulo de aroma.

— Final da fervura. Apague o lume.

4ª Etapa Arrefecimento do mosto

O mosto deve ser arrefecido até uma temperatura suficientemente baixa para se poderem adicionar as leveduras.É importante que o mosto arrefeca o mais rápido possivel, de modo a possibilitar a precipitação de um conjunto de proteínas existentes no malte. Caso o arrefecimento seja muito lento estas proteínas irão permanecer em solução e vão precipitar quando colocamos a garrafa no frigorífico, conferindo à cerveja um aspecto turvo.

— Encha a banheira (ou outro recipiente com um volume suficiente) com água fria e coloque a panela a arrefecer. Mexa a água de vez em quando para facilitar o arrefecimento.

— Depois de arrefecer transfira o mosto para o fermentador deixando o lúpulo e o precipitado de proteínas na panela.

5ª Etapa Fermentação

— Inocule as leveduras, mexa bem. Aconselha-se o uso de um pré-fermentador (ver abaixo como preparar).

— Deixe fermentar 1-2 semanas no fermentador primário. Transfira a cerveja para um outro fermentador, chamado fermentador de guarda e deixe maturar 2-4 semanas antes do engarrafamento. Este procedimento permite obter uma cerveja mais límpida e de maior qualidade.

Poderá seguir receitas diponíveis no nosso site usando o mesmo procedimento.

Preparar um fermentador de arranque ou pé-de-cuba

O objectivo é preparar antecipadamente meio litro de mosto e inocular as leveduras. Deste modo as leveduras vão multiplicar-se no pré-fermentador e quando as adicionarmos ao mosto serão em maior número e estarão mais activas e vigorosas. Assim, consegue-se um arraque da fermentação muito mais rápido e uma fermentação mais eficiente.

A preparação do pré-fermentador deve ser feita 1-3 horas antes de fazer a cerveja.

— Adicionar 50 a 100g de extracto de malte em pó a 500 mL de água.

— Ferver a mistura. Deixar arrefecer até 30 ºC. Adicionar as leveduras e agitar fortemente.

— Passado 1 a 2 horas começa a ver-se sinais de actividade das leveduras. Quando o mosto já se encontrar no fermentador à temperatura adequada é só adicionar o conteúdo do pré-fermentador e deixar fermentar normalmente.

Sinfonamento Cerveja Artesanal

O melhor método para transferir cerveja entre fermentadores ou para engarrafar consiste no uso de um sifão. Um sifão consiste num tubo encurvado que serve para transferir um líquido de um ponto mais elevado para outro mais baixo. O funcionamento do sifão assenta no princípio dos vasos comunicantes. Para iniciar o funcionamento do sifão é necessário ferrá-lo, ou seja, enchê-lo de líquido fazendo sucção pela extremidade mais baixa. Para efectuar esta sucção não use a boca, pois poderia contaminar a cerveja. Use uma seringa de alimentação (100 mL), devidamente deisnfectada, que pode adquirir em qualquer farmácia. O próprio sifão deverá também ser limpo e desinfectado antes da sua utilização.

Encaixar, puxar e sifonar!

Para além dos cuidados de higiene e desinfecção, é também necessário ter cuidado para não oxidar a cerveja. A oxidação ocorre por contacto com o oxigénio do ar e tem como consequência a degradação do aroma e sabor da cerveja e encurtar o seu tempo de vida. Para minimizar a oxidação deverá colocar a ponta da mangueira do sifão junto ao fundo do recipiente para o qual vai transferir a cerveja. Deste modo, a ponta da mangueira irá manter-se abaixo da superficie do líquido e minimizar o risco de oxidação.

Melhorar a cerveja: Dicas e truques

Adição de extrato de malte. Alguns kits requerem a adição de açúcar para que na fermentação se atinja o teor alcóolico desejado. O açúcar não confere à cerveja a mesma qualidade em termos de sabor e corpo do malte. Assim, os melhores kits são obviamente aqueles que contêm o extracto de malte em quantidade necessária à obtenção de cerveja sem qualquer adição de açúcar. Poderá melhorar a qualidade das cervejas elaboradas com base em kits que apelem ao uso de açúcar substituindo-o total ou parcialmente por extracto de malte em pó. Deste modo obterá uma cerveja feita 100% a partir de malte, com mais corpo e sabor. Veja os extractos de malte em pó disponiveis na nossa loja.

extrato de malte

Fermentador de guarda. Uma forma de melhorar a limpidez e sabor da cerveja consiste em usar um fermentador de guarda. Esta técnica consiste em passar a cerveja para um segundo fermentador logo após a primeira semana de fermentação. Deste modo separamos a cerveja do depósito de leveduras do primeiro fermentador, contribuindo para melhorar a limpidez da cerveja. A cerveja deve manter-se duas semanas no fermentador de guarda onde se dá a maturação da cerveja que contribui para uma melhoria do aroma e sabor.. Após este periodo deve ser engarrafada. Este procedimento é usado na maior parte das cervejas e é indispensável no caso das lagers.
Nota: tal como durante a elaboração e engarrafamento, a trasfega da cerveja para o fermentador de guarda deve ser feita com todo o equipamento devidamente limpo, desinfectado e passado por água.

Higiene e Desinfecção quando for fazer cerveja

O cuidado mais importante a ter na elaboração de cerveja é a higiene e desinfecção de todo o equipamento. O mosto de cerveja é um meio extremamente rico em açúcares e compostos azotados, ou seja o paraíso para qualquer microorganismo. A própria cerveja também é bastante susceptível à acção de microorganismos, como é o caso de bacterias acéticas que transformam o álcool em ácido acético, ou seja, azedam a cerveja. Para evitar que se desenvolvam microorganismos, todo o material (fermentadores, termómetros, densímetros, sifões, garrafas, capsulas, etc.) deverá ser escrupulosamente limpo, desinfectado e passado por água.

Beer bottles sanitization and hygiene at home. Simple home brewing equipment, beer bottle washer and bottles drying rack.

Limpeza do local da fabricação

Todo o equipamento deverá estar perfeitamente limpo, sem depósitos de sujidade, antes de ser usado. Aconselha-se que logo após o uso se lave convenientemente todo o equipamento e passe por água.

Desaconselha-se o uso de detergentes na limpeza do equipamento. Os detergentes perfumados poderão contaminar a cerveja com aromas completamente indesejados. O minimo resíduo de detergente poderá ser detectado a nível do aroma e sabor e pode também arruinar a espuma da cerveja. Caso use detergentes, escolha detergentes não perfumados e à base de fosfatos, que são relativamente fáceis de remover, e deverá passar o equipamento várias vezes por água até remover o mais ténue resíduo destes produtos.

Pode usar lixívia* diluída (5mL por litro) na limpeza do equipamento. Este produto permite remover depósitos e manchas de equipamento de plástico e vidro. Após removida a sujidade passe o equipamento por água limpa. Por ser corrosiva, a lixívia não pode ser usada na limpeza de cobre ou latão. Pode ser usada em aço inox por periodos de tempo limitados (nunca mais de meia hora).

Para a remoção de sujidades mais dificeis pode usar-se soda cáustica. Este produto é normalmente vendido em drogarias na forma de sólido granulado. Tenha muito cuidado a manipular a soda cáustica, trata-se de um produto extremamente corrosivo e por atacar a pele aconselha-se o uso de luvas e protecção para os olhos. Uma concentração de 1 g de soda por litro de solução de limpeza é suficiente para a maioria das situações. Após removida a sujidade passe o equipamento por água limpa. Não usar em alumínio, latão ou cobre.

Desinfecção

O equipamento depois de limpo deve ser desinfectado antes de contactar com o mosto/cerveja. Para este efeito é necessário mergulhar o equipamento numa solução desinfectante que garanta a eliminição dos microorganismos. Para este efeito usa-se uma solução diluída de lixívia*, 5mL de lixívia por litro de água. O equipamento deve ser mergulhado nesta solução durante 20 minutos. Muitos cervejeiros caseiros preparam a solução de desinfectante no próprio fermentador, onde mergulham o restante equipamento (colher, borbulhador, termómetro, densímetro, etc.). Deste modo todo o equipamento, incluindo o próprio fermentador ficam desinfectados.

Antes de ser usado, o equipamento e garrafas devem ser passados por água limpa!

* Não usar lixivias perfumadas, com detergentes ou contendo qualquer aditivo (p. ex. agentes protectores para roupa.).