All posts by Roberto Mendes

Melhorar a cerveja: Dicas e truques

Adição de extrato de malte. Alguns kits requerem a adição de açúcar para que na fermentação se atinja o teor alcóolico desejado. O açúcar não confere à cerveja a mesma qualidade em termos de sabor e corpo do malte. Assim, os melhores kits são obviamente aqueles que contêm o extracto de malte em quantidade necessária à obtenção de cerveja sem qualquer adição de açúcar. Poderá melhorar a qualidade das cervejas elaboradas com base em kits que apelem ao uso de açúcar substituindo-o total ou parcialmente por extracto de malte em pó. Deste modo obterá uma cerveja feita 100% a partir de malte, com mais corpo e sabor. Veja os extractos de malte em pó disponiveis na nossa loja.

extrato de malte

Fermentador de guarda. Uma forma de melhorar a limpidez e sabor da cerveja consiste em usar um fermentador de guarda. Esta técnica consiste em passar a cerveja para um segundo fermentador logo após a primeira semana de fermentação. Deste modo separamos a cerveja do depósito de leveduras do primeiro fermentador, contribuindo para melhorar a limpidez da cerveja. A cerveja deve manter-se duas semanas no fermentador de guarda onde se dá a maturação da cerveja que contribui para uma melhoria do aroma e sabor.. Após este periodo deve ser engarrafada. Este procedimento é usado na maior parte das cervejas e é indispensável no caso das lagers.
Nota: tal como durante a elaboração e engarrafamento, a trasfega da cerveja para o fermentador de guarda deve ser feita com todo o equipamento devidamente limpo, desinfectado e passado por água.

Higiene e Desinfecção quando for fazer cerveja

O cuidado mais importante a ter na elaboração de cerveja é a higiene e desinfecção de todo o equipamento. O mosto de cerveja é um meio extremamente rico em açúcares e compostos azotados, ou seja o paraíso para qualquer microorganismo. A própria cerveja também é bastante susceptível à acção de microorganismos, como é o caso de bacterias acéticas que transformam o álcool em ácido acético, ou seja, azedam a cerveja. Para evitar que se desenvolvam microorganismos, todo o material (fermentadores, termómetros, densímetros, sifões, garrafas, capsulas, etc.) deverá ser escrupulosamente limpo, desinfectado e passado por água.

Beer bottles sanitization and hygiene at home. Simple home brewing equipment, beer bottle washer and bottles drying rack.

Limpeza do local da fabricação

Todo o equipamento deverá estar perfeitamente limpo, sem depósitos de sujidade, antes de ser usado. Aconselha-se que logo após o uso se lave convenientemente todo o equipamento e passe por água.

Desaconselha-se o uso de detergentes na limpeza do equipamento. Os detergentes perfumados poderão contaminar a cerveja com aromas completamente indesejados. O minimo resíduo de detergente poderá ser detectado a nível do aroma e sabor e pode também arruinar a espuma da cerveja. Caso use detergentes, escolha detergentes não perfumados e à base de fosfatos, que são relativamente fáceis de remover, e deverá passar o equipamento várias vezes por água até remover o mais ténue resíduo destes produtos.

Pode usar lixívia* diluída (5mL por litro) na limpeza do equipamento. Este produto permite remover depósitos e manchas de equipamento de plástico e vidro. Após removida a sujidade passe o equipamento por água limpa. Por ser corrosiva, a lixívia não pode ser usada na limpeza de cobre ou latão. Pode ser usada em aço inox por periodos de tempo limitados (nunca mais de meia hora).

Para a remoção de sujidades mais dificeis pode usar-se soda cáustica. Este produto é normalmente vendido em drogarias na forma de sólido granulado. Tenha muito cuidado a manipular a soda cáustica, trata-se de um produto extremamente corrosivo e por atacar a pele aconselha-se o uso de luvas e protecção para os olhos. Uma concentração de 1 g de soda por litro de solução de limpeza é suficiente para a maioria das situações. Após removida a sujidade passe o equipamento por água limpa. Não usar em alumínio, latão ou cobre.

Desinfecção

O equipamento depois de limpo deve ser desinfectado antes de contactar com o mosto/cerveja. Para este efeito é necessário mergulhar o equipamento numa solução desinfectante que garanta a eliminição dos microorganismos. Para este efeito usa-se uma solução diluída de lixívia*, 5mL de lixívia por litro de água. O equipamento deve ser mergulhado nesta solução durante 20 minutos. Muitos cervejeiros caseiros preparam a solução de desinfectante no próprio fermentador, onde mergulham o restante equipamento (colher, borbulhador, termómetro, densímetro, etc.). Deste modo todo o equipamento, incluindo o próprio fermentador ficam desinfectados.

Antes de ser usado, o equipamento e garrafas devem ser passados por água limpa!

* Não usar lixivias perfumadas, com detergentes ou contendo qualquer aditivo (p. ex. agentes protectores para roupa.).

Engarrafar cerveja caseira

Finda a fermentação é necessário engarrafar a cerveja antes de consumi-la. Para além de colocar a cerveja em garrafas, é necessário gaseificá-la para que fique com aquela dose certa de gás que tanto apreciamos. A forma mais prática de gaseificar a cerveja consiste em adicionar algum açúcar imediatamente antes do engarrafamento.

Uma vez que a nossa cerveja não foi filtrada nem pasteurizada contém leveduras em suspensão. Ao ser engarrafada com açúcar, as leveduras presentes na cerveja vão fermentar o açúcar adicionado, dentro da garrafa, de onde o gás resultante não pode escapar, originando uma bebida gaseificada. A esta fermentação chama-se fermentação secundária e à cerveja assim obtida de dupla fermentação. Esta técnica é ainda hoje usada por muitas das melhores cervejas do mundo, nomeadamente cervejas Belgas e Alemãs. Devido à fermentação secundária, forma-se um depósito no fundo da garrafa constituído principalmente por leveduras. Este depósito não representa nenhum problema se consumido, mas caso passe para o copo confere à cerveja um aspecto turvo. Assim, para poder servir uma cerveja límpida recomenda-se que mantenha sempre as garrafas na vertical e que ao servir tome algum cuidado para não perturbar a camada de depósito no fundo da garrafa.

O que precisa para Engarrafar:

—Segundo fermentador ou balde de engarrafamento.
—Sifão
—Válvula de engarrafar
—Capsulador
—Capsulas (caricas) e garrafas

Instruções de comoEngarrafar

— Dissolver em cerca de 200 mL de água quente o açúcar necessário para o grau de carbonatação desejada (ver abaixo). Deixar arrefecer.

Grau de carbonatação BaixoMédioElevado
Teor de açúcar 4 g/L 5 – 6 g/L7 g/L

Caso não possua uma balança pode fazer uso de pacotes de açúcar. Por exemplo, para 23 litros de cerveja com cabonatação média, 5 g/L, necessitamos de 115 g de açúcar. Usando pacotes de 8g seriam necessários 115 / 8 = 14.4 pacotes, arredondando 15 pacotes de açúcar.

— Adicionar num segundo fermentador ou balde de engarrafamento, a solução de açúcar para a carbogaseificação da cerveja.

— Transferir com o auxilio de um sifão a cerveja para o segundo fermentador ou balde de engarrafamento sem arrastar o sedimento que fica no fundo do fermentador.

— A ponta do sifão deverá ficar junto ao fundo, fazendo com que a cerveja ao entrar provoque um movimento giratório que garante uma mistura homogénea com a solução açucarada.

— Esperar 10-15 minutos para que o açúcar se difunda completamente na cerveja.

— Transferir a cerveja açucarada para as garrafas com o auxílio de um sifão acoplado a uma válvula engarrafamento, ou usando a válvula incorporada no balde de engarrafamento.

— Deve usar-se garrafas resistentes de cor castanha, de preferência garrafas de tara retornável (mais resistentes). As garrafas, bem como as cápsulas, deverão ser previamente lavadas, desinfectadas e passadas por água.

— Encapsular as garrafas.

— Guardar as garrafas ao abrigo da luz e calor excessivo.

— Aguardar pelo menos uma semana para a carbonatação (gaseificação) da cerveja. A carbonatação fica completa normalmente após duas, três semanas.

e chegou a grande hora de desfrutar com os seu amigos de uma cerveja especial produzida por si. SAÚDE!

Como Fazer cerveja de Extrato Malte e Lúpulo

Fazer cerveja a partir de extrato de malte é um pouco mais complicado que fazer a partir de kit, mas não envolve a complexidade e equipamento necessários para a brassagem do malte em grão. Trata-se de uma técnica intermédia entre estas duas abordagens. O ponto de partida é o extrato de malte, ou seja os açúcares do malte, e para construirmos o mosto teremos que dissolver o extrato e ferver adicionando lúpulo. Poderá ser usado um pouco de malte de especialidade para aumentar a complexidade  e conferir cor e aroma à cerveja.


Equipamento necessário

Equipamento necessário
  • Panela
  • Termómetro
  • Serpentina de arrefecimento
  • Saco de musselina
  • Fermentador (com borbulhador)
  • Bomba de ar e pedra difusora

Ingredientes

Variam consoante a receita

Ingredientes puro malte
  • Extracto de malte (xarope ou pó)
  • Lúpulo (flor ou pellets)
  • Maltes de especialidade moídos.
  • Outros (açúcar, especiairias, frutos, etc.)

Infusão

Caso a receita que está a usar não inclua malte de especialidade avance para o passo seguinte.

  • Aqueça 2 a 5 litros de água a 70ºC
  • Introduza o malte moído num saco de musselina e mergulhe na água quente.
  • Deixe ficar em infusão 20-30 minutos mexendo de vez em quando.
  • Retire o saco com o malte e escorra.

Dissolução do extrato de malte

  • Deite o conteúdo das latas de extrato de malte (ou o extrato em pó) numa panela. Dissolva completamente o extrato de malte com o auxilio de água quente. Caso tenha feito infusão de malte de especialidade dissolva o extracto nessa água.
  • Adicione água até atingir o volume total da cerveja.
  • Deite mais 10% de água para compensar as perdas durante a fervura

Fervura

  • Aqueça a panela até levantar fervura. Cuidado para não deitar por fora!
  • Adicione o lúpulo de amargor . Comece a contar o tempo de fervura.
  • Próximo do final da fervura (os tempos são indicados na receita) adicione o lúpulo de aroma.
  • Final da fervura. Apague o lume.

Arrefecimento

  • O mosto deve ser arrefecido até uma temperatura suficientemente baixa para se poderem adicionar as leveduras (abaixo de 25 ºC).
  • Preferencialmente use uma serpentina onde se faz passar água fria para arrefecer rapidamente o mosto.
  • Depois de arrefecer transfira o mosto para o fermentador deixando o lúpulo e o “trub” (precipitado de proteínas, lúpulo, etc.) na panela.

Fermentação

  • Inocule as leveduras, mexa bem.
  • Areje bem o mosto de preferência com uma bomba e difusor de ar.
  • Deixe a cerveja fermentar até cessar a actividade no borbulhador.
  • Transfira a cerveja para o fermentador de guarda e deixe maturar algumas semanas (opcional).
  • Engarrafe a sua cerveja

Como engarrafar sua Cerveja

A forma tradicional de fazer com que uma cerveja ganhe gás é promover uma segunda fermentação em garrafa. Para tal basta adicionar açúcar à cerveja e fechar a garrafa. A levedura ainda presenta na cerveja irá fermentar este açúcar produzindo gás carbónico (CO2), que irá carbonatar a cerveja.


Equipamento necessário

  • Segundo balde ou balde de engarrafamento
  • Válvula de engarrafamento
  • Capsulador
  • Cápsulas (caricas) e garrafas

Use de preferência garrafas de vidro de cor castanha. As garrafas, bem como as cápsulas, deverão ser previamente lavadas, sanitizadas e passadas por água.


Sanitização do Equipamento

Passe todas as garrafas por solução de sanitização e passe por água. Todo o restante equipamento (balde, sifão, válvula, cápsulas) deve também ser sanitizado.


Grau de carbonatação

Selecionar a quantidade de açúcar a adicionar consoante o grau de carbontação desejada (ver abaixo). Dissolver o açúcar em 200 mL (1 copo) de água quente.

Carbonatação
grau carbonatação açúcar (g/L)
Baixo (Ale, Porter, Stout) 5 – 6
Médio (Lages, Abadia) 6 – 7
Elevado (Weizen, Lager) 7 – 8

Por exemplo, para 23 litros de cerveja com cabonatação média, 6 g/L, necessitamos de 138 g de açúcar.

Atenção: Não ultrapassar 8g de açúcar por litro. Risco de explosão das garrafas !


Misturar o açúcar

Introduza a solução de açúcar num segundo balde/fermentador ou balde de engarrafamento, para a gaseificação da cerveja.

misturar o açúcar

Transfira a cerveja, com o auxilio de um sifão, para o segundo fermentador ou balde de engarrafamento. Coloque a ponta da mangueira de forma a promover um movimento circular para misturar a cerveja e o açúcar.
Espere cerca de 10 minutos para que o açúcar se difunda completamente na cerveja, se necessário mexer suavemente com a espátula.


Enchimento

Transfira a sua cerveja açucarada para as garrafas com o auxílio de uma válvula engarrafamento acoplada à torneira do balde ou ao sifão de trasfega.


Capsular

Colocar a cápsula na garrafa, ou caso use garrafas de tampa mecânica fechar a tampa.


Carbonatação

A sua cerveja irá agora para a fermentação secundária, onde o açúcar será transformado em CO2, permitindo que a cerveja ganhe gás. Este processo demora cerca de 2 semanas dependendo da temperatura.
Uma cerveja devidamente engarrafada mantém-se em bom estado durante 6 meses a um ano. Tenha em atenção que a cerveja melhorará com o tempo. A espera compensa …


Quando a cerveja estiver carbonatada chegou o grande momento! É hora de convidar os amigos e divertir-se.

Boas cervejas !

Cerveja a partir de Malte em Grão

Aqui abordamos a produção de cerveja diretamente a partir dos seus ingredientes base: água malte e lúpulo. Esta técnica de produção permite controlo total sobre o processo tornando possível fazer qualquer tipo de cerveja que se queira fazendo uso dos mais variados ingredientes. A diferença em relação ao uso de kits ou extrato é que iremos criar o nosso próprio extrato a partir do malte.


Equipamento necessário

Equipamento necessário para fazer
  • Moinho de malte
  • Panela
  • Cuba-Filtro
  • Espátula cervejeira
  • Termómetro
  • Densímetro
  • Papel pH
  • Fermentador (com borbulhador)

Ingredientes

Variam consoante a receita

o que precisa ?
  • Malte base e malte de especialidade
  • Lúpulo
  • Extracto de malte
  • Levedura
  • Outros (açúcar, cereais, especiarias, frutos, etc.)

Mogem do malte

O objectivo é partir o grão de modo a expor o seu interior que consiste em amido e enzimas.

Deve evitar-se reduzir o grão a farinha! Se a moagem for demasiado fina, com muita farinha, a operação de filtração (ver mais abaixo) será demasiado difícil ou quase impossível.


Brassagem

Esta etapa consiste em misturar o malte com água e manter a infusão entre 65 a 68ºC e pH 5.2 a 5.5, para que as enzimas existentes no malte convertam o amido em açúcares. Apresentamos uma técnica de brassagem denominada de infusão simples. Esta técnica é extremamente fácil de executar e permite obter bons resultados, sendo por isso a mais usada por cervejeiros caseiros.

  • Adicionar ao malte moído 3 L água quente por kg de malte, de modo a atingir a temperatura desejada (normalmente entre 65 a 68 ºC). Após a mistura verifica-se a temperatura e corrige-se com a adição de água quente ou fria conforme necessário
  • O pH da brassagem deve situar-se entre 5.2 a 5.5. Caso necessário corriga o pH. Para simplificar pode usar sumo de limão como acidificante. Normalmente o sumo de 1/4 ou 1/2 limão é suficiente.
  • Passados 60 minutos a conversão do amido em açúcares deverá estar completa. Antes de proceder à etapa de filtração é conveniente aqueçer a mistura a 75 – 78 ºC durante 20 minutos. Este aquecimento por objectivo terminar a actividade enzimática e diminuir a viscosidade do mosto facilitando a operação de filtração.

Filtração / Aspersão

Após a brassagem temos uma solução açucarada misturada com restos de amido não convertido e cascas do cereal. Pretende-se separar a solução açucarada (mosto) do restante material. Esta separação é efectuada numa cuba com fundo falso denominada de cuba-filtro.

  • Transferir a brassagem para a cuba filtrante. Abrir a torneira e começar a recolher o mosto.
  • Os primeiros litros de mosto (4-8L) são recirculados à cuba filtrante até que se obtenha um mosto razoavelmente límpido.
  • Iniciar a recolha do mosto para a panela. Ir adicionando água a 77ºC à cuba filtrante para compensar o volume de mosto que se está a recolher na panela.
  • Recolher o volume de mosto previsto pela receita acrescido de 10% para compensar as perdas na fervura.

Fervura

  • Aqueça a panela até levantar fervura. Cuidado para não deitar por fora!
  • Adicione o lúpulo de amargor . Comece a contar o tempo de fervura.
  • Próximo do final da fervura (os tempos são indicados na receita) adicione o lúpulo de aroma.
  • Final da fervura. Apague o lume.

Arrefecimento

  • O mosto deve ser arrefecido até uma temperatura suficientemente baixa para se poderem adicionar as leveduras (abaixo de 25 ºC).
  • Preferencialmente use uma serpentina onde se faz passar água fria para arrefecer rapidamente o mosto.
  • Depois de arrefecer transfira o mosto para o fermentador deixando o lúpulo e o “trub” (precipitado de proteínas, lúpulo, etc.) na panela.

Fermentação

  • Inocule as leveduras, mexa bem.
  • Areje bem o mosto de preferência com uma bomba e difusor de ar.
  • Deixe a cerveja fermentar até cessar a actividade no borbulhador.
  • Transfira a cerveja para o fermentador de guarda e deixe maturar algumas semanas (opcional).
  • Engarrafe a sua cerveja

Boas cervejas !

O que é Cerveja Escura

O que é Cerveja Escura

O sabor ganhou uma nova cor. A Cervejaria Cintra lançou em maio um produto que pretende movimentar o mercado de cervejas: A Cerveja Escura Cintra. Mais encorpada e aromática que a linha Pilsen e com maior teor alcoólico (5,3%), a Cerveja Escura Cintra tem como principal diferencial o fato de ser fabricada com puro extrato de malte torrado. Mesmo com seus ingredientes especiais, a nova cerveja não é sazonal e poderá ser encontrada nos pontos-de-vendas durante o ano inteiro.

Definições: Cerveja tipo Escura

Definição: Cerveja tipo Escura.
Fabricação: Processo normal de cerveja clara tipo pilsen, porém acrescentado extrato de malte escuro.
Embalagens: Long Neck 355ml, Lata 350ml, Garrafa 600ml.
Ingredientes: Água, malte, cereais não malteados, carboidratos, lúpulo, corante caramelo, 150c antioxidante INS 316, estabilizante INS405, acidulante INS 270 Teor Alcoólico ico: 5,3% vol.
Teor Calórico: 42,9 kcal/100ml.
Prazo de Validade: 6 meses.

O que é Cerveja Pilsen

Cerveja Pilsen

Dá mais trabalho para a gente. Mas, em compensação, dá muito mais prazer para quem bebe. Nossa fábrica fica bem perto da fonte, recebendo água diretamente da natureza. E nossos mestres-cervejeiros têm apenas um compromisso: trabalhar intensamente para desenvolver a melhor cerveja do Brasil. Além disso, todas as pessoas que trabalham na Cintra sabem que só há uma forma de fazer sucesso neste mercado: oferecer um grande produto.

Como é feito a cerveja

O que é Cerveja Pilsen

Os segredos são: a procedência dos ingredientes,
a qualidade das matérias-primas, o processo de fabricação e a tecnologia. E o que não é segredo para ninguém é que só se faz uma cerveja deliciosa com muito trabalho e dedicação. Por isso, nós colocamos todos os nossos esforços na elaboração de uma cerveja suave e deliciosa. Por exemplo, não utilizamos nenhum aditivo para acelerar processos ou colorir artificialmente nossa cerveja.

algumas cervejas pilsen

Definições: Cerveja tipo Pilsen

Definição: Cerveja tipo Pilsen.
Fabricação: Produzida com malte com especificação exclusiva para Cervejarias Cintra, levedura exclusiva e lúpulo da melhor região do mundo (Harletau – na Alemanha).
Embalagens: Garrafa 600ml, Long Neck 355ml e Lata 350ml.
Ingredientes: Água potável tratada, malte, cereais não maltados, carboidratos, lúpulo, antioxidante INS 316, estabilizante INS 405.
Teor alcoólico: 4,7% vol.
Teor calórico: 42,9 kcal/100ml.
Prazo de Validade: 6 meses.

Conheça a Dalla Cervejaria

A Cervejaria

A Dalla Microcervejaria iniciou seu processo de fabricação de cervejas artesanais em outubro de 2011, apresentando à cidade de Chapecó e região a cultura das cervejas mundialmente veneradas e elaboradas a partir da Lei Alemã da Pureza Cervejeira – Reinheitsgebot, lei da pureza Alemã, promulgada pelo Duque Guilherme IV da Baviera em 1516, o qual garante que as cervejas produzidas devem ter como ingredientes somente água, malte, lúpulo e fermento.

Fabricamos cervejas inspiradas em características fundamentais das escolas alemã, inglesa e americana.

A Dalla possui em sua fábrica modernos equipamentos que permitem ao seu mestre cervejeiro produzir cervejas únicas e excepcionais.

Como conhecer a Dalla

A Dalla possui em anexo à fábrica a casa que permite ao público visualizar o processo de produção, apreciando suas cervejas, acompanhadas de deliciosos petiscos, com muita gente bonita e música ao vivo para alegrar ainda mais a noite chapecoense.

Como conhecer a Dalla

Como conhecer a Dalla

Sua arquitetura traz artigos retrô, que contemplam uma proposta única, com a fina mistura de sofisticação e de antigos bares, unindo charme e elegância.

A casa oferece vários ambientes, com climatização total, wi-fi zone, mesas para grupos maiores e chope encanado direto na mesa.

Como é feito Chopp

Confira ao lado o nosso processo de fabricação!
Dalla Pilsen Diamante / Cristal

Conheça a Dalla Cervejaria

Cerveja de baixa fermentação, com cor dourada intensa, apresenta corpo leve, cristalina – através de filtração, além de sua característica única de refrescância, médio amargor e excelente equilíbrio entre seu paladar maltado e seus aromas lupulados, buscados na escola Americana, de vanguarda. (4.5 e 5% vol.)
Dalla Pilsen Gold / Natural

Cerveja com as mesmas características da Dalla Pilsen / Diamante / Cristal: Produzida através de baixa fermentação, cor dourada intensa, corpo leve, refrescância, médio amargor, excelente equilíbrio entre seu paladar maltado e seus aromas lupulados, buscados na escola Americana, de vanguarda. Porém, não filtrada, assim, é naturalmente turva por manter o fermento cervejeiro e maior frescor. (4.5 e 5% vol.)

Conheça Oettinger Pils da Alemanha e Preços

Da Alemanha, vem as cervejas mais puras do mundo. A Lei de Pureza Alemã (Reinheitsgebot), promulgada em 1516, diz que a cerveja tem que ser composta por apenas 4 ingredientes básicos: água, malte, lúpulo e levedura.

E essa pura pilsen alemã, Oettinger Pils, leva a ferro e fogo essa tradição. É uma cerveja com personalidade, de puro malte e amargor pronunciado.

Tem a refrescância da pilsen, mas sem perder o paladar das pils alemãs, tornando uma cerveja exclusiva e ótima para tomar nesse calor.

Que tal harmonizar ela, com o nossa Lula Dorê ou Canapé de Tomate Seco?

Com 500 ml e 4,7% de teor alcóolico, a media, ela sai por R$ 20,00